Sopas sem gosto de hospital por menos de R$ 10

Nunca entendi porque o chuchu batia carteira na despensa da casa dos meus pais. Além de não ter graça nenhuma, eu não enxergava onde é que minha mãe usava o coitado nas receitas. Até que um dia eu vi Dona Neide Aparecida colocando um monte de chuchu no sacola da feira e resolvi perguntar. E descobri que existe um ritual familiar iniciado pela minha avó materna, a vó Zica, de sempre usar chuchu nas sopas. 

E sopa pra família toda, é comida obrigatória. Da minha parte, esse amor se explica pela capacidade de transmitir aconchego, ser de fácil digestão (o que possibilita que a gente coma à noite e já vá dormir), além de esquentar o corpinho nas noites geladas aqui ao sul do mundo. Mas o frio é só uma desculpa a mais tomar um caldinho quente. Na verdade, se a gente for pensar bem, essa tradição de comer uma cumbuca de água com coisas quase em ponto de fervura já é antiga até nas regiões mais quentes. Afinal, a galera do Norte bebe tacacá (o caldo de tucupi com jambu e camarão) sob um sol escaldante, né? Também é comum em muitas culturas desse mundo iniciar uma refeição com um prato pequeno de sopa, como se fosse uma entrada. 

Enfim, por tudo isso, não aceito ver ninguém fazendo cara feia pros caldinhos. Quando ouço o povo dizer que sopa é comida de hospital ou de dieta, vou logo respondendo que é porque nunca soube fazer uma bem feita, bem saborosa. E também não dá pra gente ficar só naquelas versões limitadas dos restaurantes, que só sabem fazer sopa com carne seca, caldo knorr ou toneladas de manteiga. Arrisco dizer, inclusive, que tem chef bombado por aí que só sabe fazer a manjada sopa de cebola francesa.

Então esse post aqui serve pra quebrar preconceitos e te inspirar a deixar as tuas sopas um escândalo, sem custar um rim. Vou começar com dicas básicas pra evitar desastres e pra que todo mundo tenha autonomia pra criar suas próprias receitas. Como sei que muita gente ainda precisa se basear em alguma coisa, aí embaixo vai uma lista de possibilidades também. Bora lá?

1) Escolha uma base pra construir sabor
Antes de começar o preparo, pense de onde você vai partir. Eu não gosto de usar alho e cebola em tudo. É bom dar uma variada pra toda comida não ficar sempre com o mesmo gosto, né? Então eu sempre escolho ou alho, ou cebola, ou gengibre ou alho poró ou nenhum deles pra começar. Se for uma sopa cheia de especiarias, nem precisa dessa base. Só refogo louro, cominho e coentro em grãos, por exemplo, com um pouco de azeite. 

2) Use temperos frescos e que harmonizem entre si
Lembra de refogar os temperos já no azeite antes de colocar os legumes. No calor, eles já começam a soltar o sabor. Se colocar depois de adicionar a água, eles já ficam mais fraquinhos. Tem especiaria, como pimenta do reino e noz moscada, que ficam pavorosas em pó. Tente comprar sempre em grãos e moer/ralar na hora. Se usar ervas aromáticas frescas, como alecrim, manjericão, orégano e hortelã, a sopa vai ficar ainda mais saborosa. Pode refogá-los no azeite também, antes de adicionar a água. Na hora de escolher os temperos, tente juntar um grupo que seja amigo. Exemplo: alecrim é do mediterrâneo e não vai combinar com feno grego, que é da Índia, ou zatar, do Oriente Médio. Escolha uma região apenas pra inspirar a sua combinação de temperos. 

Sugestões: 
a) louro, cúrcuma, gengibre, feno grego, cravo, noz moscada, pimenta do reino ficam ótimos em sopas de lentilha ou ervilha. Também amam acompanhar leite de coco. 
b) louro, endro (ou sálvia, manjericão/orégano/manjerona/alecrim), pimenta do reino, cominho e páprica combinam com sopas ácidas, de berinjela e tomate, ou com beterraba, aipo e macarrão. 
c) alho, gengibre, molho shoyu, óleo de gergelim torrado (pra finalizar) e cebolinha harmonizam com repolho, cenoura, pimentão, e tudo o que costuma dar as caras num yakissoba hahaha.
d) louro, cebola, cominho em pó e coentro fresco dão uma cara mais brasileira pra sopa. 

3) Tente incluir alimentos de grupos diferentes
Uma sopa só de batatas vai ficar muito doce, né? Com batata e abóbora também. Couve e agrião na mesma sopa também não faz o menor sentido! Tente escolher um elemento de cada família dos vegetais pra construir um sabor mais interessante, nada monótono.

Tubérculos ou quase tubérculos: batatas, mandioca, cenoura, inhame, abóbora, beterraba. 
Hortaliças: agrião, rúcula, espinafre, brócolis, couve-flor, chicória, aipo, couve. 
Legumes: Berinjela, chuchu, abobrinha, quiabo. 
Leguminosas: feijões, lentilhas, favas, ervilhas, soja. 

4) Harmonize os 5 sabores
Esse truque é maravilhoso e aprendi a partir de alguns livros de medicina chinesa. Quando a gente coloca algo com os 5 sabores na boca, fica MUITO mais gostoso, nutritivo e fácil de digerir.

Alimentos que representam o sabor ácido: berinjela, tomate, limão. 
Sabor amargo: folhas verdes no geral e rabanete. 
Sabor salgado: sal, molho shoyu e missô.
Sabor doce: batatas, cenoura, beterraba, arroz, macarrão, leguminosas.
Sabor adstringente: gengibre, alho, cebola e especiarias.
Neutros: chuchu, abobrinha...

5) Vá colocando sal aos poucos
Coloque um pouco de sal no início do preparo e depois vá provando aos poucos e acrescentando. À medida que a sopa for pegando sabor, você vai percebendo que talvez não precise de tanto sal. 

6) Finalize com gotas de limão e cheiro verde
Nem sempre precisa, mas sabe quando você prova a sopa no final e parece que falta alguma coisa? Tem grandes chances de ser acidez! As gotinhas de limão vão deixar sua sopa muito mais saborosa. Também gosto de finalizar a sopa com salsinha, cebolinha ou coentro fresco. 

Agora vamos pra algumas ideias de receitas? Todas elas servem 2 pessoas e podem ser congeladas por até 3 meses. 

Sopa chiquezinha mediterrânea


Ingredientes:
2 cenouras picadas em cubos
1 pedaço de salsão picado
2 folhas de louro
2 tomates
1/2 maço de espinafre com talo e tudo bem fatiado ou outra folha verde ou PANC
1 xícara de macarrão do tipo farfale
4 dentes de alho picado bem pequeno
4 colheres de sopa de azeite
2 colheres de sopa de endro seco ou orégano
pimenta do reino a gosto
sal a gosto
água filtrada

Como eu fiz: 
Aqueci a panela e em seguida refoguei o alho, o louro e o salsão no azeite. Enquanto isso, coloquei água pra ferver. Acrescentei a cenoura, o tomate, o endro, um pouco de sal e o macarrão. Mexi bem e despejei a água fervendo. Quando o macarrão tava quase cozido, acrescentei o espinafre e a pimenta do reino. Acertei o sal e prontinho!

Sopa de ervilha com batata e especiarias


Ingredientes:
1 xícara de ervilha seca ou lentilha de molho por 12h
1 colher de sopa de gengibre picado 
3 colheres de sopa de azeite
1 colher de sopa de feno grego
1 colher de chá de cúrcuma em pó
2 xícaras de qualquer batata com casca e tudo picadas
3 folhas de louro
folhas de hortelã pra finalizar
1 colher de sopa de orégano
páprica defumada pra finalizar
gotas de 1/2 limão
sal a gosto

Como eu fiz:
Numa panela de pressão, refoguei o gengibre, a cúrcuma, o louro e o feno grego no azeite. Acrescentei um pouco de sal, a ervilha, as batatas e o orégano. Tampei a panela e cozinhei por 20 minutos. Esperei a pressão sair, mexi bem pra batata ficar bem desmanchadinha, acertei o sal e finalizei com o limão e a hortelã. Na hora de servir, joguei uma pitada de páprica defumada no prato.


Sopa de mandioca com couve


Ingredientes:
2 xícaras de aipim (mandioca/macaxeira)
1 maço de couve ou outra folha verde ou PANC
4 colheres de sopa de azeite
3 folhas de louro
1 cebola grande
2 cravos
1 colher de café de pimenta calabresa
1 colher de chá de cominho em pó ou tempero baiano
cebolinha fresca pra finalizar
sal a gosto
páprica defumada pra finalizar
gotas de 1/2 limão pra finalizar
água filtrada

Como eu fiz:
Comecei descascando e picando o aipim. Numa panela, refoguei a cebola, o louro, a pimenta, o cravo e o cominho no azeite. Acrescentei o aipim, água pra cozinhá-lo até desmanchar e um pouco de sal. Assim que o aipim tiver bem molinho, retirei o louro e o cravo da panela e bati tudo até virar um creme. Voltei pra panela, acrescentei a couve picada bem fininha, acertei o sal e cozinhei com a panela tampada por mais uns 5 minutos. Se achar que o creme tá muito grosso, acrescenta mais água até chegar no ponto que você preferir. Desliguei o fogo, finalizei com cebolinha e limão. Na hora de servir, salpiquei um tiquinho de páprica defumada no prato. 


Creme de espinafre com leite de coco e torradinhas

 

Ingredientes:
1 maço de espinafre
500ml de leite de coco fresco (usei 1 coco seco inteiro)
4 colheres de sopa de azeite
4 dentes de alho picados
1 colher de sopa de gengibre picado
3 colheres de sopa de fubá orgânico pra engrossar
sal a gosto
pimenta do reino a gosto
salsinha a gosto

Como eu fiz: 
Comecei fazendo o leite de coco fresco. Se não souber fazer, clica aqui. Numa panela, refoguei o alho e o gengibre com o azeite. Acrescentei o espinafre bem picadinho, sal e o leite de coco. Depois de 5 minutos cozinhando em fogo baixo com a panela tampada, bati tudo no liquidificador junto com o fubá pra engrossar. Voltei o creme pra panela, acertei o sal, acrescentei a pimenta e deixei engrossando por mais 5 minutos. Prontinho. Ah! Essa sopa é bem líquida. Recomendo comer com torradinhas pra forrar bem o estômago, como essas da foto, ou acrescentar batata no creme. 


Sopa de abóbora com rabanete


Ingredientes:
1/2 abóbora cabotiá com casca e sementes
1 alho poró com talo e tudo (ou alho ou cebola ou gengibre)
3 colheres de azeite
2 cravos 
3 folhas de sálvia fresca picadinhas
2 rabanetes ralados com casca e tudo
1 colher de sopa de noz moscada ralada na hora
gotas de 1/2 limão 
sal a gosto
água filtrada

Como eu fiz:
Assei a abóbora inteira no forno alto por 20min. Cortei ao meio e guardei a outra metade pra outras receitas. Enquanto a abóbora assava, já fui refogando o alho poró, o cravo e a sálvia no azeite. Acrescentei um tiquinho de sal nesse refogado. Cortei a metade da abóbora em pedaços pequenos e bati no liquidificador com água quente o suficiente pra ficar um caldo grosso, mas sem queimar o liquidificador. Depois só joguei o creme na panela, misturei bem, acrescentei o rabanete e a noz moscada. Deixei cozinhando por uns 5 minutos. Acertei o sal, desliguei o fogo e acrescentei as gotas de limão. 

Sopa de cenoura com agrião e crocante de semente de abóbora


Ingredientes:
3 cenouras
1 chuchu
1 maço de agrião
2 colher de sopa de gengibre picado
4 colheres de azeite
1 colher de sopa de curry em pó
1 colher de sopa de noz moscada ralada na hora
1/3 de xícara semente de abóbora sem casca 
gotas de 1/2 limão
sal a gosto

Como eu fiz: 
Antes de começar a sopa, tostei as sementes de girassol com um pouco de sal e azeite numa frigideira. Numa panela, coloquei o gengibre pra refogar no azeite junto com o curry em pó. Acrescentei a cenoura e o chuchu picados, mais um tiquinho de sal. Despejei água fervente e tampei a panela pra cozinhar os legumes. Assim que ficaram macios, coloquei tudo no liquidificador até formar um creme bem lisinho. Voltei o creme pra panela, liguei o fogo e acrescentei o maço de agrião picado bem fininho. Acertei o sal, acrescentei a noz moscada ralada e deixei cozinhando por uns 5 minutos. Desliguei o fogo, chamei o limão pra jogo e prontinho! :) Na hora de servir, despejei as sementes de abóbora tostadas por cima da sopa.

Quero ver alguém repetir agora que sopa é comida de hospital, hein?