Empadas sem desperdício - R$ 3,22*

27 de maio de 2018
A receita de hoje é uma exceção, bem a cara do momento de crise que estamos vivendo. Ao contrário de tudo que postei até hoje neste canal de entretenimento, as empadinhas contra do desperdício não me permitiram calcular o preço real que custaram. Simplesmente porque o recheio foi feito com as sobras de outras coisas que eu já tinha na geladeira. No caso, tinha um molho branco de aveia pronto e um maço de beterraba estragando. O valor R$ 3,22 se refere apenas à massa, ok? Trata-se de uma estimativa. Pra você não gastar muito além disso, basta fazer como eu: use os insumos que já tão velhinhos na geladeira, ou que sobraram de outro prato, ou, ainda, use os vegetais da sua região com os temperos da sua despensa. 

A receita rende 6 empadinhas. Pode comer quentinha ou levar de lanche pro trabalho. 

Cada vez mais eu tenho pensado nisso, sabe? Não faz sentido a gente basear a nossa alimentação em cima de receitas de outras pessoas. Receita é pra usar como inspiração. Porque às vezes não tem maçã no Maranhão nem caju no Rio Grande do Sul. Às vezes a verdureira tá pelada porque deu algum problema no sistema de distribuição de comida e você será obrigado a cozinhar uma hortaliça do próprio jardim. Não tem espaço pra jardim na sua casa? Tenha pequenos vasos na janela. Já falei isso 800 vezes aqui! É a melhor forma de economizar com temperos e hortaliças. E não existe comida boa sem tempero. 

Aqui na minha varanda eu tenho uma rúcula plantada num vaso minúsculo junto com alho poró e cebolinha e já é a terceira vez que ela dá novas folhas. Como eu fiz isso? Comprei uma rúcula com a raiz pela primeira vez. Cortei o caule, usei pra comer junto com as folhas, e deixei a raiz num copo com água por três dias, trocando a água todo santo dia. Depois disso, coloquei no vaso e um mês depois, já tinha um novo maço de rúcula. De graça e orgânico. Você pode fazer isso com vários vegetais. Espia esse link aqui, onde tem mais dicas desse tipo. 

A gente vive num país com grandes desigualdades e não poderia ser diferente com a alimentação. Dava pra escrever um livro se fosse citar cada problema aqui (agrotóxicos, monocultura, indústria dos ultraprocessados, falta de apoio aos pequenos produtores...). E esses problemas ficam mais evidentes em momentos de crise, como agora, com a interrupção do sistema de distribuição de comida por parte dos caminhoneiros. Podemos tirar mil lições desse período maluco que estamos vivendo. Arrisco alguns: 

→Não podemos mais viver em função do petróleo. 

→Não podemos mais viver em função dos Estados Unidos. 

→Não podemos mais viver em função de um sistema político onde quem nos governa não nos representa, não nos ouve. Pelo contrário, nos boicota. 

→Não podemos mais ser dependentes do sistema rodoviário. 

→Precisamos repensar todo o estilo de vida das médias e grandes cidades. 

→Precisamos entender todo o caminho que a comida faz até chegar na nossa mesa e tentar encurtá-lo o máximo possível. Leia-se: comer o que tá na época, produzido na região por pequenas famílias que entendem dessa terra. Enquanto a gente se alimentar de coisas empacotadas sem ter a mínima ideia de onde aquilo veio e como foi produzido, a gente vai levar esses sustos em momentos de crise.

Observação: eu não acho que todo mundo ter bicicleta e horta no prédio resolveria o problema que estamos vivendo hoje. Seria ingenuidade da minha parte. A questão é essencialmente política, por mais que não compreendamos exatamente o que isso quer dizer. E se vivêssemos em cidades super sustentáveis talvez o problema nos atingisse de outras formas. Mas é impossível não ver que o nosso estilo de vida faz esses momentos de crise terem consequências catastróficas. 

Toda essa enrolação pra dizer que usei o que tinha em casa pra rechear as empadinhas e insisto para que você também comece a fazer a sua parte contra o desperdício de comida. 

A base da receita das empadinhas é da diva global Bela Gil. Se quiser acessar o passo a passo original, clica aqui. A massa é fantástica e você pode usá-la para criar milhões de novas receitas maravilhosas. É grão de bico e farinha. No caso da Bela, ela usou farinha de arroz. Eu não tinha farinha de arroz em casa, não tenho o hábito de comprá-la, e usei farinha de trigo. Grão de bico tá muito caro na sua região? Pode substituir tranquilamente por feijão fradinho ou feijão branco. 

Ingredientes da massa - Rende 6 empadinhas
⠂1 xícara de grão de bico cozido na água e sal
⠂1 colher de sopa de azeite ou óleo de girassol
⠂1 colher de chá de sal
⠂1/2 colher de chá cúrcuma (pra massa ficar mais colorida)
⠂3/4 de xícara de farinha de trigo (ou de arroz para os celíacos)
⠂1/4 de xícara de água gelada

Como fazer a massa
Misture tudo no processador. Caso não tenha, cozinhe o grão de bico beeeem, a ponto de estar quase desmanchando, pra poder bater no liquidificador. Se fizer isso, acrescente a farinha depois, numa tigela. Se fizer no processador, pode bater a farinha junto. Modele a massa em forminhas de silicone ou inox (aí precisa untar), forre com o recheio e cubra com um pedacinho de massa por cima. Asse no forno pré-aquecido a 200 graus por 30 minutos. 

Use a criatividade e o que tiver sobrando na geladeira pro recheio. Dica: tem que ficar um creme bem consistente. 

Ingredientes do recheio
⠂1 cenoura grande cortada em cubos (poderia ser brócolis, alho poró, abóbora, palmito, vagem, berinjela, cogumelos...)
⠂1/2 xícara de água pra cozinhar a cenoura
⠂Folhas de beterraba ou qualquer hortaliça (espinafre, escarola, taioba, ora pro nobis, acelga..)
⠂1 xícara de molho branco de aveia ou ricota de semente de girassol ou ricota de gergelim ou qualquer pastinha a base de tofu ou 1 colher de sopa de maisena diluída em 1 xícara de água
⠂4 dentes de alho
⠂1 polegar de gengibre
⠂canela em pó a gosto
⠂cheiro verde a gosto
⠂pimenta do reino a gosto
⠂noz moscada a gosto
⠂sal a gosto

Como fazer o recheio
Refoguei o alho e o gengibre no azeite. Acrescentei a cenoura picadinha, uma pitada de canela, noz moscada, pimenta do reino e sal. Depois de refogar bem, acrescentei a água e deixei cozinhando com a panela tampada por 15 minutos. Acrescentei as folhas da beterraba e tampei a panela por mais 2 minutos. Acrescentei o molho branco de aveia. Corrigi o sal e a pimenta e finalizei com cheiro verde. A consistência do recheio tem que ser de um creme bem consistente. Não pode ficar líquido ou aguado ou a massa vai ficar molhada e molenga. Não vai assar direito. 

Observação: Você pode usar a criatividade aqui no recheio! Pegue o que tem na sua geladeira quase estragando, capriche nos temperos e pronto! Agora é só correr pro abraço e se afundar na empada. 

4 comentários:

  1. Amei! Parabéns pelo trabalho e obrigada!

    ResponderExcluir
  2. Farinha de arroz é apenas bater no liquidificador até virar pó, amada.
    Faz e me conta.
    Bjo

    ResponderExcluir
  3. Bate qualquer arroz que dá certo :*

    ResponderExcluir