Dicas para o vício em acúçar

15 de setembro de 2017
Prazer, meu nome é Juliana e sou mais uma viciada em açúcar na fila do pão. Dos comentários que recebo no facebook e instagram (aliás, obrigada!), mais da metade são perguntas do tipo:
"o que você faz quando dá aquela vontade louca de comer um doce?"

Esse post é a minha resposta. E não custa lembrar que não sou nutricionista, curandeira, nem nada. Então eu vou falar aqui sobre a minha experiência e isso não quer dizer que sirva pra todo mundo. 

1) Em geral, eu faço a coisa mais óbvia do mundo: quando dá vontade, eu como. Se tô em casa, improviso alguma coisa. Se tô na rua e tenho dinheiro, eu compro. Simples assim. Sem culpa, sem drama, sem me chicotear depois, sem chororô na frente do espelho. Eu faço atividade física umas quatro vezes por semana, não como carne, metade dos meus pratos é de vegetais, meu exame de sangue tá tudo ok, glicose beleza, as vitaminas todas. Não pego gripe há anos. Então eu como uns brigadeiros quando tenho vontade e acabou. 

2) Mas é claro que eu não tenho doces em casa. Açúcar branco refinado não entra no meu armário. Não compro nada de doce industrializado. Só compro, às vezes, umas barras de chocolate dessas meio amargas pra fazer brownies. Então, em casa eu preciso me virar com frutas, farinhas integrais, melado e açúcar mascavo. A mistura deles costuma virar panquecas, docinhos, bolos e bolachinhas integrais. Já falei isso aqui antes, mas é importante repetir. Dê preferência, sempre, pra doces que tenham fibras porque elas fazem com que o açúcar seja absorvido lentamente no sangue. Evita a compulsão e dá saciedade.  

3) Larguei a sobremesa. Pode reparar, aqui no blog não tem o item sobremesas no menu de receitas. Pra mim, doces se resumem a pequenas refeições, como lanchinhos. Eu paro o meu trabalho por alguns minutos e como algum doce integral com chá ou café. Eu fiz isso porque percebi que comer sobremesa depois do almoço aumentava exponencialmente a minha loucura por doce durante toda a tarde. 

4) Abandonei toda e qualquer bebida açucarada. A minha única paixão é água tônica com gelo e limão. Uma ou outra vez eu ainda compro, mas isso deve acontecer a cada 6 meses. De resto, me acostumei a cortar o açúcar de todas as bebidas. Café e chás, nada de adoçar. Suco, só o açúcar da fruta. Refrigerante, nem esses orgânicos caros. Vitaminas eu adoço com banana. Foi super difícil, é chato criar esse hábito, mas faz uma diferença absurda. É o primeiro passo pra acostumar o teu paladar com coisas menos doces. Depois disso, você vai começar estranhar algumas sobremesas que está acostumado a comer. 


5) Não adianta culpar só a capacidade viciante da substância. Sempre tem algo na gente, alguma necessidade de refúgio, de consolo, que nos faz desenvolver um vício. Eu percebi que fico ainda mais ansiosa do que o normal quando tô com prazos apertados pra cumprir e temo não conseguir entregar as coisas, ou quando planejei algo que não saiu como esperado. Aí vem aquela vontadezinha de comer doce pra compensar o nervosismo, a frustração. Isso ficou evidente na época do vestibular, quando eu engordei 10 quilos e cheguei no maior peso da minha existência. Fiquei tão ansiosa, me sentindo pressionada e estressada, que coloquei pra dentro do meu corpinho metade da produção anual de açúcar da humanidade. Agora que eu entendi esse processo, escolhi uma estratégia maravilhosa pra lidar com essas situações: os chás.


Olhas as ervinhas que coisa mais linda!

O ato de fazer um chá se tornou o meu momento especial de conseguir paz. Repara nos povos todos que tomam chás loucamente. É tudo gente calma. Também, não é pra menos. Tem que colocar a água pra ferver, esperar, escolher as ervas, colocar na cestinha da chaleira, esperar uns 5 minutos, coar, esperar esfriar e beber. É todo um processo.

Eu bebo duas xícaras de chás todos os dias. Se passo o dia na rua, tomo antes de sair de cada. Se tive um dia muito agitado, tomo antes de dormir também, pra relaxar. Nas tardes em que tô em casa, faço quando dá uma vontade louca de comer um doce. E é isso. Encontrei meu equilíbrio. E reduzi absurdamente o meu consumo de açúcar depois que comecei a investir nos meu chazinhos. Levo pra tomar na rua, inclusive, numa garrafinha. 

Mas obviamente que você não precisa se entupir de chá também! Faça o que for melhor no teu contexto, de acordo com as tuas preferências. 

Pra matar a vontade de comer doce

graviola com capim limão
hibisco com maçã e especiarias (pode ser canela, cravo e aniz)
hortelã com erva doce

Pra tomar à noite depois de um dia super agitado

camomila e calêndula
erva doce com hortelã
maracujá (a polpa da fruta mesmo) com capim limão

Pra tomar antes de começar o dia, pra ter disposição

hibisco com canela
chá verde com gengibre e limão




Como fazer
Faço sempre a quantidade de uma xícara e meia. Meço com a própria caneca antes de colocar a água pra ferver. Quando a água tá naquele ponto de quaaaaaase fervura, desligo e coloco na chaleira. Na cestinha, coloco 1 colher de chá de cada erva. Espero 5 minutos e tomo.

Agora me conta o que você faz pra lidar com esses momento de loucura pelo açúcar!

2 comentários:

  1. Adorei o post! Tbm sou formiguinha!
    Como fazer o chá com as frutas? Tipo a maçã... Corta ela em pedaços e coloca na agua quente? Ou desidrata?

    bjs

    ResponderExcluir
  2. Oi, Ciça! Que bom que gostou. Eu fervo as frutas picadas por uns 5, 6 minutos e pronto! Só coar e beber.

    Um beijo.

    ResponderExcluir