Kitchari indiano - R$ 6,16

29 de setembro de 2017
Confesso que sou muito mais das medicinas orientais do que essa que impuseram aqui. A gente vai num médico porque tá com febre, ele diz que é uma virose e passa um remédio. E depois você descobre que, na verdade, era gastrite. Ninguém te avalia como um todo, pergunta se você dorme bem, se anda estressado, se come muito sal, se apanha do marido, se pratica esporte. Dão um remédio e um tchau. É claro que há milhares de médicos que não são assim. Tive uma consulta com uma clínica geral no SUS esses dias e ela me perguntou até o meu filme preferido. Mas são exceções, eu acho. 

Por isso que eu curto a medicina chinesa, por exemplo, que diz que tudo no teu corpo tá conectado. Dê uma pesquisada. 

Outra medicina incrível dos lados de lá é a Ayurveda. Eu descobri esse negócio, que parece palavrão, há uns anos atrás. Uma amiga do trabalho fazia uns tratamentos com uma terapeuta dessa linha e contava coisas maravilhosas. E essa mesma amiga indicou um restaurante indiano abrasileirado que servia um prato feito sem carne, barato e super aromático. Fui lá conhecer, fiquei louca e virou meu restaurante dos domingos. Pra quem mora no Rio, #ficaadica: chama-se Vegan Radhe Shyan, no bairro Tijuca. Eu já não moro mais no Rio e morro de saudades de lá.

Aí comecei a ler mais sobre a ayurveda e fiquei apaixonada pela Laura Pires, uma moça que teve esclerose múltipla e foi se tratar na Índia depois que os médicos daqui não foram muito otimistas. Depois de curada, a Laura virou terapeuta ayurvédica, dá cursos por todo o Brasil e tem alguns livros publicados. Pra saber mais sobre ela clique aqui.

Como eu não entendo muito sobre o assunto e não quero disseminar besteira, pedi pra outra terapeuta da área, que dá cursos aqui em Floripa, me ajudar a explicar certinho do que se trata a ayurveda e pra indicar uma receita que seguisse os seus princípios. Com vocês, algumas palavras da Jacobina Cantisani, formada pela Escola Yoga Brahma Vidyalaya com aprofundamento em Nutrição Ayurvédica pela International Academy of Ayurved, na Índia. 

A Ayurveda (Ayur = vida, Veda= ciência) é um sistema tradicional de saúde praticado na Índia há pelo menos 5 mil anos. Surgiu a partir da dedicação de sábios que, por meio da meditação e observação de si mesmos e da natureza que os cercava, desenvolveram métodos para manutenção da saúde, prevenção e cura de doenças.

Eles perceberam como o corpo reage de diferentes formas e tem necessidades distintas dependendo da estação do ano/clima/horário do dia e que também existem diferentes tipos de corpos, que reagem de formas diversas à mesma situação, clima, estímulo ou alimento. A partir dessa observação, surgiu também o entendimento dos biotipos, onde cada um tem características e necessidades próprias:

Vata - composto pelos elementos ar e éter, possui características semelhantes a estes elementos: frio, secura, leveza, movimento. Sendo assim, pessoas com este biotipo se beneficiam das características opostas, ou seja, calor, umidade, peso e estabilidade.

Pitta -  composto pelos elementos fogo e água possui: calor, fluidez e intensidade. Beneficiando-se de frio ou frescor, moderação e tranquilidade.

Kapha - composto pelos elementos terra e água, é frio, úmido, pesado e lento, encontrando benefícios com calor, secura, leveza e estímulo.

A medicina indiana entende que a qualidade da digestão determina a saúde ou o adoecimentoA digestão está equilibrada quando não apresentamos desconfortos gastro-intestinais, sonolência, embotamentos dos sentidos, cansaço ou tristeza. Mas, se esses sintomas aparecem, precisamos de elementos para retomar o equilíbrio e uma ótima solução pode ser o uso de especiarias. As mais utilizadas e fáceis de encontrar são o gengibre, pimenta do reino, cúrcuma, cominho, coentro, louro, erva doce, canela e cravo.

Esses temperos possuem muitas propriedades medicinais, úteis na maioria das doenças de pulmão, cabeça e aparelho gastrointestinal. Em geral, equilibram Vata e Kapha e aumentam Pitta. São picantes, quentes, leves, secas, aromáticas e sutis. Também ajudam a eliminar toxinas e purificar o corpo e a mente. E, acima de tudo, dão cor, aroma e sabor à vida. 

Gengibre: ativa o fogo digestivo, facilitando a digestão; alivia gases intestinais, é sudorífero, expectorante e melhora náuseas.

Cúrcuma: é antiinflamatória, antioxidante, anti-séptica e analgésica. Pode ser utilizada tanto na comida, quando para cicatrizar feridas ou para aliviar dores de garganta (em pó, misturada com mel).

Pimenta do reino: ajuda a digerir alimentos mais pesados (carnes e laticínios); é descongestionante e expectorante; excelente para eliminar toxinas. Potencializa as propriedades da cúrcuma.

Cominho: ajuda a combater os efeitos de comidas pesadas como feijões, queijo e batatas. Diminui gases e distensão abdominal, ajuda na digestão. Contra indicado em casos de gastrite.

Coentro: ajuda a equilibrar receitas muito picantes e também na assimilação de nutrientes. Evita queimação, calor e transpiração.

Louro: Ajuda na digestão de laticínios, carnes e leguminosas. Diminui gases e cólicas.

Erva Doce: Digestiva e calmante. É indicada para insônia, gases, cólicas intestinas e menstruais e para aumentar a secreção salivar e a produção de leite materno.

Canela: utilizada para melhorar a digestão de alimentos doces e frutas. Também é diurética, expectorante e analgésica.

Cravo: facilita a digestão de alimentos doces; dissipa gases, combate náuseas e vômitos. Também é analgésico e vermífugo.

Modo de preparo: aquecer a panela e, com óleo vegetal ou ghee, refogá-las antes para liberar suas propriedades. 

Sequência de preparo: grãos, ramas, folhas secas, pós e folhas frescas (estas últimas somente quando a preparação já estiver pronta).

Você não imagina o cheiro incrível desse negócio!!! 

Ingredientes do kitchari (serve 4 pessoas) - R$ 6,16
⠂½  xícara de lentilhas (a lentilha tá cara, paguei R$ 17/kg. Mas na receita só usei 180g)
⠂½  xícara de arroz integral cateto
⠂1 cebola pequena em cubinhos
⠂½ xícara de cenoura ou abóbora cabotiá em cubinhos
⠂½ xícara de abobrinha ou vagem em cubinhos
⠂1 colher (chá) de cúrcuma em pó
⠂1 colher (sobremesa) de gengibre fresco ralado
⠂½  colher (café) de cominho em grãos
⠂1 folha de louro
⠂2 cravos da índia
⠄Óleo vegetal suficiente para refogar

Picando os ingredientes. 

Como fazer
Deixar o arroz e a lentilha de molho, por uma hora em água quente.
Numa panela de fundo grosso, aqueça o óleo e refogue o gengibre, o cominho e o cravo, na sequência acrescente a cebola e as outras especiarias, refogue por 1 minuto. Adicione os vegetais, misture bem e logo adicione o arroz e a lentilha. Cubra com água quente e deixe cozinhar em fogo baixo. Se necessário, acrescente mais água.

#Ficaadica
A lentilha marrom e o arroz cateto têm o mesmo tempo de cozimento. Caso queira mudar o tipo de arroz e de leguminosa, procurar aqueles que tem tempo de cozimento próximo.

Pra quem se interessar pelo assunto e quiser fazer um Workshop de Introdução à Alimentação Ayurvédica com a Jacobina, é só encontrar em contato pelo e-mail:jacobinacantisani@gmail.com ou telefone: (48) 99673-9631. 

Um comentário:

  1. Bom dia flor do dia! Amei a receita, vou fazer hoje no almoço 😍 será que altera muito o sabor se eu colocar um pouco de páprica junto?

    ResponderExcluir